terça-feira, dezembro 19, 2017

Chicago: the loop


Esta época de Natal parece-me um pouco como este desenho: velocidade para um lado e outro, tanta gente a colocar-se em bicos de pés e, aos poucos, a verdadeira beleza começa a ficar tapada.

Não sei se a bicicleta é uma boa metáfora do Natal, mas do tempo que o antecede é de certeza. Fazemos esse percurso em baixa ou alta velocidade, mas sempre de acordo com as nossas capacidades. Pedalamos mais se conseguirmos, menos se assim tiver de ser. Mas todos chegamos à meta. Há quem prefira ir de carro, mas penso que a bicicleta é mesmo a melhor opção. A pé também seria bom, mas o baixarmo-nos para agarrar o volante parece-me o gesto certo para este tempo. No meu imaginário, tenho uma pessoa a cortar o vento, focado no seu percurso, imune às efemeridades açucaradas do que nos rodeia. 

Para mim, é isto o tempo de preparação do Natal: escolher um caminho, escolher como o vamos fazer e focarmo-nos nele. 
A meta? Falo dela no dia 25 de dezembro!

2 comentários:

Miguel Antunes disse...

Grande abraço mário!!!

Já tenho saudades desses desenhos panorâmicos!

Em 2018 vou desenhar mais com os UskP :)

E também falarmos de Timor ;)

Rico ano que foi para nós. E o sortudo de ter podido vivenciar Timor e aquilo tudo. Viver na Ásia. WOW!


Abreijos para todos mário
abraços

Henrique Vogado disse...

Belos desenhos e reflexões de Chicago. Passados alguns meses, analisa-se os desenhos quentes de verão com outro olhar, talvez mais depurado, talvez menos apaixonado, mas são grandes memórias.
Um Bom Ano 2018 para ti, para a Ketta e para o Matias. Abraço.