terça-feira, junho 04, 2019

Florence: Piazzale Michelangelo


"Eu falo às Paredes foi o título que Jacques Lacan deu à série de seminários que realizou na capela do Hospital Psiquiátrico de Santa Ana, em Paris, entre 1971 e 1972. Lacan escolheu como epígrafe este pequeno poema de Antoine Tudal: 

«Entre o homem e a mulher
Há o amor. 

Entre o homem e o amor 
Há o mundo 

Entre o homem e o mundo 
Há uma parede.»

Fê-lo para recordar que no amor está sempre em jogo um obstáculo, um afastamento, uma distância irrecuperável - uma parede, justamente. Ele explora depois as associações sonoras que se podem estabelecer entre «parede» (o termo francês é mur) e «espelho» (miroir) ou entre «parede» (mur) e «amor» (amour), e sugere dois neologismos: muroir, a «parede-espelho», e (a)mur, a «parede que é uma não-parede». E acaba a explicar por que motivo devemos aceitar falar para as paredes: contra elas, a voz do amor ressoa."

José Tolentino Mendonça, O pequeno caminho das grandes perguntas


Tive uma cadeira nas Faculdade de Belas-Artes que se chamava Estudos Culturais e funcionou durante dois semestres. 
O primeiro - Estudos Culturais I - com o prof. Fernandes Dias, revelou-se uma grande aventura de conhecimento sobre cultura material e humana, exposições e abertura de horizontes sobre o debate etnológico.
O segundo - Estudos Culturais II - com o prof. João Peneda, foi completamente diferente, mas igualmente interessante. Abordámos a invenção do termo, mas fomos muito mais longe, aprofundando Freud e Lacan, assim como o trabalho de Paula Rego e a crítica de arte (ou seria de pensamento) de Slavoj Žižek.

Hoje sei que a convicção de escrever tudo o que se passava dentro da sala de aula me fez estar mais atento. Não processei tudo o que ouvi (nem seria possível), mas sei onde procurar quando for necessária mais informação.

Ao ler o livro do Tolentino Mendonça, quando encontrei o nome Jacques Lacan, veio-me um sorriso à cara e, assim de repente, com uma clareza simples, tudo fez mais sentido. 

...

Florença, 2018, Piazzale Michelangelo
Será que temos de entender na plenitude, hoje, a narrativa da Paixão da semana santa? 
Não, não temos.
Mas se a vivermos com o máximo de intensidade, um dia, também ela fará um sentido cristalino.

terça-feira, maio 21, 2019

Workshop no Porto


No próximo dia 8 de junho irei orientar dois workshops no Porto, um de manhã e outro à tarde.
O Porto é lindo, está com uma dinâmica incrível e tive a honra de ser convidado para esta formação, integrada em dois ciclos culturais. Aqui fica o programa completo do dia:

10h30: ponto de encontro na Rotunda da Boavista
Exercício 1: aprender a desenhar uma árvore.
Exercício 2: aprender a desenhar um conjunto de árvores.

13h00: almoço

15h00: ponto de encontro à entrada do Cemitério de Agramonte
Exercício 3: como conciliar a arquitetura com a escultura
16h30: partilha final e feedback

O programa completo sobre o Ciclo Cultural dos Cemitérios do Porto pode ser visto aqui.

As inscrições são gratuitas e online através deste link.

domingo, maio 19, 2019

Florence: Santa Maria del Fiori


Ando a estudar hebraico.
Não que o doutoramento o exigisse, mas uma conjugação de fatores fez com que tomasse esta decisão. 
É difícil. Preciso praticar muito...

O ano passado, quando desenhei a Duomo de Florença, encontrava-me entre exercícios do retiro de diários gráficos, a caminho do almoço. Havia ainda tempo e fiz este desenho rápido. Havia tempo, mas não demasiado, pelo que alguma coisa teria de ser simplificada. Neste caso foi o batistério.

É assim mesmo: temos tempo, mas nunca o suficiente e há que encontrar uma solução de compromisso. Dedicarmo-nos ao que vale a pena e deixar apenas sugestões do que poderia vir a ser se existisse mais tempo.

Ainda não sei o que vai acontecer quanto ao hebraico. Já sei ler, claro, desde que tenha as vogais, pois só com as consoantes é todo um outro mundo.
Veremos se o hebraico ganhará em mim espaço para crescer. Para já, sou eu que lhe estou a dedicar tempo...

sábado, maio 18, 2019

Florence: tentações


Escrevi um texto sobre este exercício aqui.

Fiz também outro desenho com o mesmo enunciado.
Estes desenhos em cadernos ganham uma outra dinâmica quando os enunciados alargam o nosso entendimento...

domingo, dezembro 16, 2018

Conferência: O Espiritual no Desenho - Os escrúpulos e o lava-pés


Uma das tarefas que pedem aos doutorandos, tal como aos académicos, é que estruturem a sua investigação em artigos e os comuniquem publicamente para que o conhecimento saia do seu pensamento e possa estender o dos outros.

O facto de ter um tópico de investigação que toca o mundo das Belas-Artes e o da Teologia, fez com que me debruçasse seriamente sobre os dois. Por isso, inscrevi-me das duas Faculdades, para entrar mais a fundo nos dois temas. E tem sido uma aventura incrível...

Enquanto nas Belas-Artes a investigação se faz de modo autónomo, na Teologia, estou mesmo a ter aulas com alguns dos melhores professores sobre os temas bíblicos e sinto-me a abrir horizontes e a aprofundar assuntos que sempre conheci, mas agora de um modo muito mais completo.


Entretanto, as Belas-Artes organizaram um Congresso sobre Desenho chamado Expressão Múltipla. Submeti este tema e foi aceite!

A minha comunicação será quarta feira, dia 19 de dezembro, às 17h40.
Irei falar e mostrar desenhos sobre:
- os escrúpulos
- a viagem
- o lava-pés
- o desenho do quotidiano

segunda-feira, dezembro 03, 2018

Indonesia: Ambon


Acordei bem cedo nesta primeira noite em Ambon, pelas 5h da manhã. Na noite anterior, tinha combinado com o Donald Saluling ir desenhar o mercado de peixe. Estava pronto às 5h30. Desci as escadas e fui para a recepção do hotel. Só ali é que se apanhava wifi. Enviei um sms ao Donald, mas a seta do whatsapp indicou apenas mensagem entregue. Esperei, mas nada mudou. Enviei nova mensagem a dizer que ia à procura de algo para desenhar nas redondezas. Andei, andei, andei...

A cidade estava deserta. Passavam apenas alguns carros.
Sentei-me neste cruzamento e continuei a experimentar a caneta hero, aquela que permite linhas grossas e finas. Nada contente como resultado, enviei novo sms ao Donald, desta vez a usar dados móveis do cartão indonésio que comprei em Jakarta. Eram umas 6h15 e a seta do whatsapp já dava sinal de mensagem lida. Cinco minutos depois, estava a sair deste lugar par ir ao mercado. Ficou assim mesmo, muito branco, muito inacabado, uma desgraça...
Não tinha ainda o texto nem aquela cama de rede com a criança a dormir. Acrescentei-os nesse dia à tarde...



A urgência de ir ao mercado de peixe tão cedo prendia-se com duas razões: a) o mercado tem uma beleza especial quando os pescadores estão a chegar de barco; b) às 8h30 saíamos de carro para ir desenhar outra zona da ilha, pelo que havia pouco tempo de manhã.

Quando chegámos, no interior, o caos estava instalado. Quase não havia espaço e a metáfora certa é que se tinha de andar em bicos de pés...
Só havia uma opção: desenhar do lado de fora. Fomos andando até chegarmos às traseiras do mercado, precisamente o local onde os pescadores estavam ainda a descarregar o peixe. 
Abrimos os cadernos e logo todas as possibilidades se abriram para nós:
- Quem um banco? Do que precisam? Temos chá, querem?
Olhei para o Donald e sorrimos ao mesmo tempo. Mais uma vez o poder do desenho a manifestar-se...

Depois... depois foi o que todos os desenhadores viajantes sabem. A experiência de desenhar com meia multidão a espreitar pelo ombro, comentários, risos, conversas em línguas diferentes, qual Babel e, no fim, uma correria para chegar a horas ao autocarro que nos levaria para o outro lado da ilha...

sexta-feira, novembro 30, 2018

Indonesia: Ambon


A meio de outubro deste ano estive na Indonésia. Fui convidado para desenhar e dar formação numas ilhas remotas chamadas Banda. Nunca tinha ouvido falar. Fui pesquisar e descobri que deveria saber desde sempre que ilhas são estas. As ilhas da noz moscada que os portugueses encontraram por via do mar.
Mas sobre as ilhas Banda terei tempo de falar...

Aterrei em Jakarta e fui direto para o quarto. O voo para Ambon era logo na manhã seguinte.
Era o segundo dia na Indonésia - estava há mais de 30 horas em movimento desde que saíra de Lisboa e, depois de um jantar incrível que me lembrou muito Timor-Leste, só à noite houve tempo para desenhar. 
Este caderno gigante estava a desafiar-me para pensar nas composições. Desenhei o pouco que se via deste parque muito frequentado para horas tão avançadas da noite. Não se via quase nada, apenas algumas luzes iluminavam telhados, colunas, arvoredo...
Ficou assim. Uma pequena franja horizontal a caneta preta, à espera que no dia seguinte algo mais acontecesse na página.

A grande árvore, feita a aguarela e aparo, estava mesmo à entrada do forte Amesterdão, noutra zona da ilha Molucas (mais uma viagem de 2 horas de carro). Lentamente, linha a linha, fui deliciando-me a pensar na história que esta árvore já testemunhou. 
Claro que a escala está exagerada em relação à cidade. A árvore também não pertence àquele contexto urbano, mas, para mim, esta combinação improvável estimulava o imaginário e o pensamento. Estou a ser fiel ao que desenho à minha frente, mas coloco-o no caderno descontextualizado...

Arranca assim a minha crónica sobre a viagem à Indonésia. 
Cada página é uma mistura de ambientes diferentes.
Não será uma cronologia perfeita, tal como a nossa.
O que é a perfeição?

quinta-feira, novembro 22, 2018

Exposição


Que honra participar nesta exposição coletiva e ter este meu desenho desacertado do Fernando Pessoa no convite!

Se estiverem pelo Norte, não faltem à inauguração! 
Dia 1 de dezembro às 16h30.

Vou ter algumas serigrafias à venda, feitas propositadamente para esta exposição. A linha preta é o fator comum. A aguarela colocada posteriormente é o que as diferencia.



sábado, outubro 13, 2018

Alfabeto Lisboeta: Private Collections


A 5.ª temporada do Alfabeto Lisboeta está aí!
Depois de atribuirmos cada letra a uma bairro de Lisboa (1.ª temporada), uma técnica de desenho (2.ª temporada), um museu incomum (3.ª temporada), um limite geográfico (4.ª temporada), eis que nos lançamos para as mais incríveis coleções privadas de Lisboa (a ver ou a construir)!

Todos nós fizemos uma coleção algures na nossa vida. Caricas, moedas, latas, relógios ou até mesmo pósteres na parede do quarto. O que caracteriza uma coleção? E quantas coleções conhecemos de caráter privado? O ato de colecionar é o que nos vai guiar nesta temporada do Alfabeto Lisboeta, sempre com exercícios de desenho surpreendentes, em 26 sessões, uma para cada letra do alfabeto!

Começamos dia 3 de novembro! 
Esclarecimentos e inscrições: linhares.mr@gmail.com

sábado, setembro 08, 2018

Retiro de Diários Gráficos


E se a subida à montanha não fosse um sonho, mas uma realidade?
E se a inevitável descida nos ajudasse a perceber que é bom estar lá em cima, mas que é lá em baixo que o dia a dia se concretiza, que as relações se estabelecem, que o ritmo ganha força?

No próximo Retiro de Diários Gráficos iremos andar pelas montanhas de Limone Sul Garda, mas também nos vales de Brescia e Verona.


Muito resumido, aqui fica o programa:
Dia 1: viagem + apresentação do grupo
Dia 2: Subida à montanha, aspirar às coisas do alto
Dia 3: Descida da montanha, ida a Brescia e Verona (neste dia o almoço é por conta de cada pessoa)
Dia 4: Regresso ao sopé da montanha: o lago... a água...
Dia 5: Avaliação e viagem de regresso

Quanto às datas, há duas hipóteses:
4 a 8 de abril (quinta a segunda)
ou
11 a 15 de abril (quinta a segunda)
nota: a Páscoa é só a 21 de abril

Quanto a valores:
800€ (quarto individual c/ wc)
750€ (quarto duplo c/ wc)
Inclui: avião (Lisboa-Milão); deslocações (Milão-Limone + ida a Brescia e Verona), dormida, pensão completa (exceto um almoço), formação e um caderno Laloran de edição especial.

E, como se não bastasse, este será o primeiro retiro que organizo tendo em mente o Doutoramento em Desenho que vou iniciar agora já em setembro na FBAUL, precisamente com este tema: O Espiritual no Desenho.

Vamos a isto?
Inscrições: linhares.mr@gmail.com

Japan: day 7


16 de Fevereiro
Dia verdadeiramente sozinho. Segui alguns conselhos da Sara Amado e fui a Nihonbashi, a zona de cruzamento entre pontes e viadutos. Estava tanto frio que fui andando, meio flanêur, em direção ao rio e ao mercado de peixe. Perdi-me, claro, mas foi maravilhoso descobrir uma cidade silenciosa e cheia de habitantes. São muitos os bairros com roupa estendida, mas o silêncio que impera é monstruoso...
Aventurei-me no mercado de peixe. Tudo cru, bem autêntico, mas já terminado. Um restaurante lá no meio com pessoas a entrar fez-me querer espreitar. Vou comer aqui! 
- No English, no English!
- Don't worry, you choose for me.
Deixaram-me entrar. Só um empregado dizia algumas palavras:
- Raw or Grilled?
Pedi atum grelhado. Soava bem comer atum grelhado no Japão. 
Depois? Depois foi uma experiência gastronómica tão boa de ir às lágrimas, pelo que não há palavras que a descrevam...


17 de fevereiro
Acordei às cinco da manhã. Levava comigo duas malas cheias de muito silêncio e respeito. A sensação de que uma semana não era o suficiente, muito menos sem sair de Tóquio.
Muitas saudades da Ketta e do Matias...

quarta-feira, agosto 22, 2018

Japan: day 6



Do meu diário a 15 de fevereiro de 2018:

O Joel Winstead tinha programado ir a uma zona de templos, nos arredores de Tóquio, chamada Kamakura. Perguntou-me se estava disposto a uma caminhada. Claro! Depois de 15 Kms, já em casa, dou por mim a pensar como o ser humano tem a espiritualidade inerente à sua existência. A relação com o mistério, o que nos transcende, é outro fator primitivo que partilhamos.

Esta última frase remete para uma das conclusões do painel de discussão em que participei na Universidade de Chiba. O sensei Isami Kinoshita concluiu o seguinte: "nós, humanidade, temos em comum as coisas mais primitivas e o desenho é uma delas."

Tão verdade... mas tão verdade!
A necessidade de pegar num objeto que risque é tão primitivo que une qualquer ser humano nesta terra.

sexta-feira, agosto 17, 2018

Japan: day 5




A Mariia Ermilova, paisagista russa a desenvolver um estudo no Japão sobre "community design with nature", convidou-nos a participar no seu estudo. O projeto era simples:
- uma rua
- um grupo de sketchers
- uma folha de papel A4
- um desenho de um lado da rua
- outro desenho do lado oposto
- um desenho de um pormenor
- anotações escritas (nome, data, hora, tempo)

Os locais estavam previamente escolhidos (seis) e cada desenho demorava 5 minutos. Como cada folha teria dois desenhos (um de cada lado da rua), cada folha A4 demoraria 10 minutos a fazer.


 


A escolha era inteligente. De uma lado da rua haviam construções tradicionais. Do outro, um grande morro com edifícios mais recentes. O objetivo: será que o desenho pode ajudar a darmo-nos conta destes contrastes? 
Um dos locais, foi, no entanto, alterado. A razão? A roupa de casa estava estendida ao Sol. Houve uma pequena conversa entre a Mariia e alguns japoneses. Decisão: não se vai desenhar a casa em sinal de respeito pela privacidade dos donos...


Estava muito frio. As mãos gelavam. Ainda bem que os desenhos eram só de 5 minutos.
No final houve chá, claro, e uma bonita partilha sobre a experiência.
Deixámos os desenhos com a Mariia, para que ela possa concluir o seu trabalho de pesquisa académica. Estou muito curioso para ver os resultados!

quarta-feira, agosto 15, 2018

Japan: day 4

Tenho vários projetos na minha vida que começaram numa escala bem pequenina e foram crescendo até se tornarem internacionais e me levaram a países que nem imaginava visitar.
Uma vez no Japão, em parceria com a Universidade de Chiba, nós, urban sketchers, fomos convidados a fazer uma apresentação para a comunidade académica. Desdobrámo-nos em várias atividades, mas eu escolhi falar da Sketch Tour Portugal.


Como é que os Urban Sketchers podem ajudar a promover um país? Era este o meu tópico. Comecei por falar da Grand Tour a Itália, citei Goethe, pois claro, e mostrei um pouco daquilo que foi um dos projetos mais ambiciosos e gratificantes em que estive envolvido: Sketch Tour Portugal.



A Mariia Ermilova, aqui em cima à direita, foi registando no quadro as ideias que estavam a ser comunicadas e debatidas.


Com tanto a fazer, quase não havia tempo para desenhar. Aproveitava cada momento no metro, quando se parava para esperar por alguém, um carimbo na estação e comboio. Tudo valia para enriquecer as páginas do meu caderno...

terça-feira, agosto 14, 2018

Japan: day 3


O cruzamento mais caótico do mundo fica em Tóquio, no bairro de Shibuya.
Por esta altura já tinha decidido desenhar tudo apenas com caneta preta e cinzenta. As páginas deste caderno em harmónio estão um pouco desfasadas do que realmente aconteceu no meu terceiro dia. No outro caderno, escrevi:

Passei o dia na reunião sobre o plano dos próximos três anos: 2020. Rapidamente percebemos que a Educação não é, neste momento, uma prioridade, de tão bem que está. Temos outras: governar bem, cuidar dos membros e promover os eventos de pequena escala. Jantámos num pequeno restaurante em Matsudo, cheio de gente local, com menu apenas em Japonês e a especialidade era comida crua: rins, fígado, etc. Conseguimos pedir vários pratos sempre cozinhados. Uma delícia. Aprendi que os japoneses, quando descontraídos, são muito ruidosos e faladores. Um país de contrastes...

segunda-feira, agosto 13, 2018

Japan: day 2


No Japão (quase) não se fala inglês e o melhor a fazer é adquirir internet móvel no aeroporto. Só isso nos dará a segurança de não nos perdermos completamente...

Sair do aeroporto e apanhar o comboio não foi difícil. Já sair da estação ferroviária e entender o caminho a tomar é que se revelou tarefa árdua. Tinha um mapa impresso e confiei no meu instinto e sentido de orientação, que não costuma atraiçoar-me, mas tomei o caminho inverso convencido que estava certo. Andei, andei, e andei. Sempre a estranhar, mas confiante que alguma referência ia aparecer. Passada meia hora a andar, perguntei a um jovem japonês se me podia ajudar. Foi a minha primeira experiência cultural:
- Can you help me?
- Hum...
- I need to find Chiba University. Do you know if I am in the right direction?
- Chiba University?
- Yes!
- Hum...

A cada hum... ficávamos uns bons segundos em silêncio e, por momentos, pensei que ele também não sabia, mas estava enganado. Ele sabia exatamente que eu estava completamente perdido, mas não mo disse. Isso seria uma afronta. Não o podia fazer. Em vez disso, tirou o iPhone, procurou no mapa como se estivesse também perdido e depois disse que me ia acompanhar até lá. Guardou o telemóvel e nunca mais o tirou. Caminhou comigo durante 45 minutos. Só me deixou quando cheguei. Agradeci o máximo que pude tamanha cortesia.

Foi a primeira lição no Japão: nunca dar a entender que percebemos que os outros estão enganados para não os humilhar.

domingo, agosto 12, 2018

Japan: day 1


Desde 2014 que a direção dos Urban Sketchers tem uma reunião anual e presencial numa cidade do mundo. Tentamos escolher uma que tenha voos diretos para todos, mas, sobretudo, um lugar onde a nossa presença possa ajudar a dar um impulso grande ao grupo local de sketchers.
Sendo a Ásia um continente muito forte, cheio de iniciativas, a ligação ao grupo internacional poderia ser ainda mais reforçada. O Japão, por não se sentir tão confortável com o Inglês, ia ficando, aos poucos, cada vez mais afastado. Assim, estabelecemos contactos e foi feita uma parceria com a Universidade de Chiba para podermos fazer comunicações e workshops. E foi assim que, em fevereiro de 2018, fui a Tóquio durante uma semana.
.
Saí de Lisboa numa sexta feira às seis da manhã, pela Ibéria, com escala apenas em Madrid e chegada prevista a Tóquio no sábado às dez da manhã. Teria de chegar fresco, pois as nossas reuniões já estariam a decorrer.
Pela primeira vez na vida, tomei um comprimido para dormir, mas já lá vamos...
.
Troquei Euros por Ienes no aeroporto da Portela (agora Humberto Delgado), uns duzentos euros, talvez, e fiquei logo encantado pelo desenho das notas. Pensei: "com tantas horas de voo, vou ter tempo para desenhar uma delas". Dentro do avião abri a revista para ver o mapa do Japão. Estavam ali as linhas certas para a primeira página deste diário de viagem. Não há melhor modo de iniciar uma aventura do que com um mapa!
.
Depois da escala em Madrid, já dentro do avião que me levaria a Tóquio pelo pólo norte, pedi um copo de vinho tinto a acompanhar o almoço. Guardei-o até terminar o mapa e parte da nota de cinco mil ienes. Estava desperto demais, entusiasmado demais, precisava dormir para chegar fresco ao Japão...
.
Tirei o comprimido que a Margarida (aluna/amiga enfermeira) me tinha dado no dia anterior e tomei-o de rajada com o vinho regional espanhol que a Ibéria tanto promoveu. Depois fechei o caderno, estiquei as pernas e só me lembro de acordar em Tóquio.

Cheguei fresco que nem uma alface. Nove horas de diferença não se notaram em nada.
Japan, here we go!

terça-feira, maio 01, 2018

New Year's Eve Sketching Retreat


A passagem de ano sempre me interessou como tema de trabalho.
Festejar o fechar de um ciclo e celebrar o início de outro é, claramente, uma oportunidade para trabalhar um tema que acompanha a História da humanidade: o sagrado e o profano.

Serão 6 dias em Florença, a cidade que é o berço do conhecimento holístico, conciliando a curiosidade da ciência, a tentativa de colocar rigor e sabedoria em tudo o que se fez, despoletando as mentes mais incríveis do Renascimento como Leonardo da Vinci ou Miguel Ângelo, mas também de uma religiosidade cativante, onde os artistas foram desafiados a levar a Arte a um novo patamar.

Será uma viagem única, interior e exterior, cheia de surpresas e muito desenho! Curiosos?
Peçam mais informação por email: linhares.mr@gmail.com

quarta-feira, abril 18, 2018

Sketch Tour Portugal: Porto


Muitas pessoas me perguntam que projeto é este e como foi possível colocá-lo a funcionar.
Costumo responder que os portugueses são assim: especialistas em realizar o impossível!

terça-feira, abril 17, 2018

The Stones of Venice Workshop



Há momentos na vida em que percebemos que temos de dar um salto de fé.
Este workshop em Veneza é um desses momentos. É uma loucura ir a Veneza num fim de semana para isto? Sim. E então? Os saltos de fé são assim mesmo... têm uma dose de loucura que prima pela excelência!

A exposição sobre o trabalho do John Ruskin é absolutamente imperdível.
Andei as últimas semanas a trabalhar para preparar este workshop e acredito que a proposta que tenho é exactamente aquela que desejaria fazer sozinho, ou seja, tenho orgulho no que vou partilhar com as pessoas.

A informação detalhada e modo de inscrição aqui.


sábado, março 10, 2018

Chicago: workshop com William Cordero


O workshop do William Cordero, da Costa Rica, foi uma surpresa:
- Organização: excelente
- Discurso do formador: excelente
- Técnicas ensinadas: excelentes
- Inglês: excelente

Começou por pedir uma coleção de texturas a partir do que se via na zona do workshop. 
Depois desafiou-nos a desenhar o ambiente em que essas texturas se encontravam.
No final deste exercício, ensinou-nos a utilizar um cartão de crédito para fazer céus descontrolados.
Incrível!


No segundo exercício deu-nos uma carteirinha com pedaços de revistas e jornais. Tinha também tesoura e cola. O que era suposto? Desenhar com colagens.
Sou lento neste processo de colagens e não tive tempo de terminar. Ficou tão inacabado que sobrepus, mais tarde, um desenho a linha azul do Daniel Green com uma das pontes de Chicago ao fundo.
- Salvou a página -  pensei eu.

terça-feira, março 06, 2018

Chicago: workshop with Virginia Hein


No Simpósio, tento sempre aprender com quem faz algo que eu não domino tanto.
A Virginia Hein, mestre na aguarela e no modo de ver, colocou-me a desenhar como não pensei. Cores quentes e frias, mas com tons intermédios também.

Desenhei, conversei, tirei selfies em polaroid com impressão imediata com o Alvin Wong e a Jessie Chapman, depois desesperei e decidi desenhar a Virginia a lápis laranja por cima.
Ela não pediu isso, mas eu não resisti...

domingo, março 04, 2018

Chicago: workshop com Asnee Tasna



Conheci o Asnee em Lisboa, durante o Simpósio de 2011.
Na altura, para mim, o rigor do desenho era mesmo muito importante. Para ele, a liberdade do desenho é que era...
Fiquei com um desenho dele de Lisboa, feito nessa altura.

Em Chicago, o workshop do Asnee era sobre o potencial que um lápis tem. Inscrevi-me, claro.
A maior dificuldade é não usar o lápis como sempre se usa. Com isso garantido, os resultados são incríveis! 

sexta-feira, fevereiro 09, 2018

Chicago: meeting the instructors


O Tapas Mitra vive na Índia.
Quando recebemos a proposta de comunicação dele para o Simpósio, pareceu-nos logo muito interessante ter a perspetiva de alguém que organiza encontros de desenho num país tão diferente. A partilha dessa experiência parecia-nos obrigatória de incluir.
Pessoa muito discreta, de sorriso ligeiro e olhar atento. 
Numa conversa a três, com ele e o LK Bing, da Indonésia, decidi experimentar as canetas que o LK usa para fazer aqueles desenhos atmosféricos. 
- O segredo não é muito grande. As canetas não são impermeáveis, por isso podemos diluir a tinta com o pincel. Além disso são as canetas mais baratas de Surabaya.

Desafiei o Tapas Mitra para um duelo de retrato.
Ficou tão contente com o resultado que tirou fotografias e tudo! 


Outra ocasião imperdível são os jantares com os sketchers.
Aqui, depois de muita massa italiana, numa mesa cheia de estrelas (Lapin, Matthew Brehm, Nina Johansson, etc.) muita risota e gargalhadas, acabámos todos em silêncio a desenhar.

O Simpósio USk tem muitas coisas especiais. Esta é uma delas.
Prontos para o Porto, 2018?

domingo, janeiro 07, 2018

Chicago: Sue, the T-rex



Chegámos a 2018.
Tudo o que está para trás se assemelha a esqueletos.
Queremos olhar em frente.

Às vezes olhamos para trás, também. Olhamos de relance, fugazmente, sem prender o olhar, procurando diferentes memórias rápidas. Fica a memória do essencial vivido.

Outras vezes, olhamos para a nossa história com um detalhe digno de um livro. Todos os pormenores contam e não podem ser deixados para trás.

Foi isto que fizemos no workshop do Lapin, no Museu Field em Chicago.

Que a minha mão esquerda recorde o passado e a direita esteja virada para o futuro!