sábado, setembro 08, 2012

Christophe Lebreton

Na Argélia, um monge trapista fez um diário enquanto viveu entre a comunidade muçulmana. Escrevia todos os dias pequenas acasos, ligações entre pessoas e as meditações dele.
Christophe Lebreton era o responsável pela parte agrícola do mosteiro e, por isso mesmo, tinha vários amigos muçulmanos com quem trocava ideias sobre o cultivo e outras reflexões.
Raptado com grande parte da sua comunidade, acabou por ser morto por extremistas islâmicos.

O seu diário foi mote de inspiração para Henri Teissier, bispo de Argel, que fez uma selecção e destacou excertos comentado-os e enriquecendo-os.

A edição portuguesa está pronta e vale mesmo a pena. O prefácio é do P. Tolentino Mendonça e, no dia 13, há a oportunidade de ver o filme: "dos deuses e dos homens", seguido da conferência e apresentação do livro. Acontece tudo na sala do Montepio - Rua do Ouro, 219.

Dia 13 de Setembro
16h30 - projecção do filme
18h30 - conferência de Henri Tessier


Da minha parte, pediram-me para fazer a capa do livro. Depois de o ler, optei por desenhar parte da pequena oliveira que temos aqui em casa. A ligação à agricultura tinha de existir, não só através do desenho, mas também pela cor. O castanho avermelhado remete para a cor da terra e para o sangue do martírio.
O desenho tinha de estar inacabado, porque a vida do Christophe também ficou inacabada. O ramo da oliveira tem folhas novas e fruto, porque este livro torna a vida dele mais imortal, possibilita-nos entrar no seu mundo e reflexões.
Este primeiro desenho é o original que deu origem à capa do livro (em baixo).



Para quem não está em Lisboa, Henri Teissier irá estar nos seguintes locais:

15 de Setembro - Fátima - 9h15 (jornadas missionárias)
17 de Setembro - Ermesinde - 21h00 (fórum cultural de Ermesinde)
18 de Setembro - Porto - 21h30 (auditório da Universidade Católica do Porto)
19 de Setembro - Braga - 21h00 (auditório Vita)

4 comentários:

Pedro disse...

Muito bonito!
Não vou perder.

Mário Linhares disse...

Encontramo-nos lá então!
Acho que é mesmo a não perder...

Unknown disse...

Parabéns, ficou um excelente trabalho.

Mário Linhares disse...

Olá Luís

Obrigado!
Abraço