sexta-feira, setembro 18, 2015

Singapura a tinta da china



Depois de um workshop inacreditável com o Kiah Kiean em que nos pediu para expandirmos estendermos o nosso desenho e nos ensinou a fazê-lo, tentar colocar todo esse conhecimento em prática era um desafio brutal...

Situados no último piso do biblioteca pública de Singapura, parecia que o mundo inteiro estava ali à frente para ser desenhado. O Kiah Kiean, por ser canhoto, começa sempre o desenho da direita para a esquerda. Eu, por ser destro, comecei da esquerda para a direita. Devagarinho, a experimentar os materiais imprecisos (paus afiados à navalha) e com uma série de folhas soltas para encher, lá fui preenchendo o espaço em branco.

A liberdade de traço é incrível e fiquei mesmo fã. Vou repetir este processo mais vezes, experimentando diferentes paus e manchas.
Fiz alguns vídeos dele a trabalhar e a preparar os materiais. Deixo aqui este para aguçar o apetite!




Alguns dias depois, eu, a Ketta e o Matias, tínhamos de ir ver e desenhar a famosa Marina Bay de Singapura. A flor de Lótus que é um museu, aquele espécie de barco em cima de três torres, o passadiço, a arquitectura e tudo o mais por trás que ficou por ver e desenhar.
Peguei nas minhas ferramentas novas e, sem saber bem como, lá peguei nas folhas e comecei a desenhar. O tempo passou, fomos jantar, e chegámos já bem noite escura ao hotel...


O Matias dormia profundamente..

4 comentários:

Celeste Vaz Ferreira disse...

Vim ver o video e acabei por comentar aqui :)
Que bom já terem regressado! Excelentes posts Mário.
Estou desejosa de ver o resto todo!
(também sigo o Kiah Kien há algum tempo e adoro o trabalho dele)

nelson paciencia disse...

Que delícia!

teresa ruivo disse...

Que maravilha, Mário! E que boas notícias, esses tantos "+info em breve" na coluna da direita ;)

Mário Linhares disse...

Obrigado. Acho que estes foram os desenhos que me deram mais prazer fazer em toda a viagem!
Teresa: os "+ info em breve" prometem ser bombásticos! :))