domingo, janeiro 04, 2009


Seria demasiada insensibilidade da minha parte não fazer uma referência ao texto que o Fernando Nobre publicou hoje no seu blog sobre a actual situação que se vive na Terra Santa.


"Grito e choro por Gaza e por Israel"

O que está a acontecer entre Gaza e Israel é um desses momentos. É intolerável, é inaceitável e é execrável a chacina que o governo de Israel e as suas poderosíssimas forças armadas estão a executar em Gaza a pretexto do lançamento de roquetes por parte dos resistentes (“terroristas”) do movimento Hamas.

Este é um pequeno excerto. Convido os meus poucos leitores deste blog a lerem o resto.

3 comentários:

Amnistisiados disse...

Mais uma vez, obrigada. Concordo, é impossível ficar indiferente a todo este conflito. Obrigada por partilhar connosco e divulgar o blog de Fernando Nobre.

Fiquei bem mais esclarecida, e aliviada por ver que, ainda assim, existem pessoas capazes de ver para lá daquilo que nos dão a mostrar.

É realmente revoltante dar de caras com toda a hipocrisia que nos rodeia. As mesmas pessoas que tantas vezes baseiam os seus discursos no cumprimento dos DH e num gesto de diplomacia promovem a paz são capazes de cometer ou, como bem o diz o Dr. Fernando Nobre, consentir com tais barbaridades.

Não há nenhuma explicação que eu consiga aceitar para o comportamento do governo de Israel. Não querendo com isto culpar ninguém. Chamar de "terroristas" ao Hamas, quando Israel responde da mesma moeda (aliás, com o dobro) não cabe na cabeça de ninguém! Ou justificar a ofensiva terrestre como meio de defesa... Quando aqui, as principais vítimas são o povo residente na Faixa de Gaza, isolado num mundo aparte, privados dos bens mais essenciais e de qualquer ajuda. Penso que quem realmente precisa de defesa é Gaza. E a defesa não se faz de armas maquinais capazes de extinguir a vinda de alguém num abrir e fechar de olhos, mas sim de diálogo, de palavras proferidas pelo próprio Homem.

É, de facto, revoltante a desumanidade dos actos de Israel, que mostra não querer conceder tréguas. Mais ainda, é bastante dura aquela sensação de impotência, que subitamente me invadiu ao ler as palavras de Fernando Nobre. E ainda que não possa fazer grande coisa, pelo menos uma coisa é certa, não vou permitir a mim mesma calar e consentir com tais actos, não vou deixar que me calem (ainda que seja em casa, no café, ou na sala de aula) e vou gritar bem alto com todos aqueles que também o fizerem: BASTA!

(Tenho tanto para dizer, mas mal sou capaz. É difícil explicar por palavras aquilo que sentimos ao "descobrirmos" a realidade, muitas vezes distorcida pela comunicação social. Mas agradeço por haver quem consiga dizer aquilo que pensa, ainda mais, baseando-se em factos, que passam despercebidos ou que são esquecidos.)

Cumprimentos!

Mário disse...

E não somos nós os agentes certos para gritar contra tudo isto?

Quando estas questões se entranham no sangue, não há local específico para gritar a indignação... é onde houver oportunidade, sempre com justeza de argumentos, para que nos levem a sério!

Quando nos dizem que não podemos fazer nada, é mentira! Podemos erguer a nossa voz.
Quando nos dizem que não podemos fazer nada, é mentira! Podemos ajudar quem ajuda.
Quando nos dizem que não podemos fazer nada, é mentira! Somos uma gota no oceano e essa não nos podem roubar.

Quando nos dizem que não podemos fazer nada, é mentira! Fazem-no por interesse, ou pior, por indiferença!

Amnistisiados disse...

Sim. Devemos defender as nossas ideias e recorrer a argumentos racionais. Mas ainda assim, por vezes é difícil ser levado a sério. Porém, se for necessário gritarei até já não poder mais, repetirei as vezes que forem precisas...

Israel fala em lição (lição dada ao Hamas)... Que raio (peço desculpa pela expressão) de lição és esta, que Israel quer dar ao resto da Humanidade? A lição é qual? Usar todos os meios necessários de forma dura e crua para atingir um determinado fim, com a maior das diferenças quanto às consequências humanas? Levar avante uma injustificável vingança, por capricho ou puro interesse?

Podemos sempre fazer alguma coisa, mesmo que seja um pequeno gesto. Pelo menos tentamos e lutamos por aquilo em que acreditamos, não é?

Tenho andado a pensar muito nisto: é difícil crescer... E chegar à conclusão que nos estão constantemente a mentir, aqueles que tantas vezes nos tentam incutir bons valores. Mentem-nos e tentam fazer de nós pessoas como eles, tentam a toda a força construir a nossa personalidade à sua semelhança. (Claro que nem todos os adultos são assim, e ainda bem.)

Agora sei e acredito, que há sempre algo a fazer, é verdade... Quando nos tentam convencer do contrário estão a mentir!

Já chega de fingir que aquilo que se está a acontecer não é nada connosco, chega de ignorar a realidade.
E agora, para finalizar, cito uma frase bem verdadeira de Fernando Nobre: "As duas doenças mais graves são a Intolerância e a Indiferença." Se são...